DHEA – Fontes, Benefícios e Deficiência

Revisado por

Graduado em Ciências da Nutrição!

Especialista do Dr. Saúde

DHEA – Fontes, Benefícios e Deficiência que vamos conhece nesse novo artigo. Alem disso, DHEA (desidroepiandrosterona) é um hormônio produzido pelas glândulas adrenais do corpo. Os suplementos de DHEA são produzidos a partir de soja ou inhame selvagem.

Não se sabe ainda tudo o que a DHEA pode fazer, mas sabe-se que é um precursor dos hormônios sexuais masculinos e femininos, incluindo testosterona e estrogênio.

A produção de DHEA no corpo atinge seu pico depois dos vinte anos e começa a diminuir depois dos trinta. A diminuição é mais rápida nas mulheres do que nos homens.

Níveis mais baixos de DHEA também podem ser encontrados em pessoas com transtornos hormonais, HIV/AIDS, Mal de Alzheimer, doenças cardíacas, depressão, diabetes, inflamação, transtornos no sistema imune e osteoporose.

Corticosteroides, anticoncepcionais orais e agentes de tratamento de transtornos psiquiátricos também podem diminuir os níveis de DHEA.

Benefícios do DHEA:

Há poucos estudos bem formulados que testam os efeitos dos suplementos de DHEA. Não há evidências suficientes da eficácia de DHEA no tratamento de insuficiência adrenal, síndrome metabólica, depressão, HIV/AIDS, síndrome da fadiga crônica, sintomas da menopausa, doença cardíaca, câncer de mama, infertilidade, diabetes ou Mal de Parkinson.

Além disso, também não há evidências que apoiam o uso de suplemento de DHEA como medicamento anti-idade ou para ajudar na perda de peso.

O suplemento também parece não ter efeito para aumentar a libido, aumentar a força muscular ou proteger contra o Mal de Alzheimer.

Deficiência do DHEA:

O DHEA tem sido indicado em casos de deficiência aonde há perda de concentração, desinteresse sexual e baixa imunidade, por exemplo, idosos com osteoporose, podem se beneficiar do DHEA por ele ser precursor androgênico e estrogênico que agem fortalecendo a densidade óssea, também pode ser usado em casos de sua deficiência e sintomas como fadiga crônica, bem como as alergias alimentares com candidíase sistêmica.

Em estudos em laboratório o hormônio DHEA demonstrou ser capaz de proteger os neurônios e de ampliar a sua capacidade de estabelecer aumento das sinapses , assim como potencial na ajuda da Doença de Alzheimer.

Muitos atletas usam hormônio DHEA para aumentar a massa muscular, força e energia, entretanto seu uso não esta autorizado em casos de esporte profissional.

O DHEA também pode melhorar o bem-estar, sexualidade feminina com aumento da libido em mulheres com deficiência associado a menopausa.

Efeitos Colaterais da DHEA:

A DHEA é um hormônio, e portanto, deve ser tomado sob a supervisão e recomendação de um médico. Crianças e mulheres grávidas ou lactantes não devem usar DHEA.

Os efeitos colaterais incluem acne, insônia, fadiga, pele oleosa, dor abdominal, perda de cabelo, congestão nasal, aumento dos níveis de colesterol, batimento cardíaco rápido ou irregular e palpitações.

Em mulheres, a DHEA também pode causar mudanças no ciclo menstrual, crescimento de pelos faciais e engrossamento da voz. Em homens, pode ocorrer aumento dos seios, assim como sensibilidade na região, e agressividade.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

enzimas

Enzimas – Fontes, Benefícios e Deficiência

Coenzima Q10 – Fontes, Benefícios e Deficiência